Sal é vital para o Ser Humano

Foto de jacqueline macou em Pixabay.   Crianças até dois anos não devem comer alimentos com sal.

O sal é vital para o Ser Humano, pois da sua dissolução resultam os iões sódio e os de cloreto que estão presentes em todos os tecidos e fluidos do nosso corpo. São eles que permitem que haja funções tão diversas, como por exemplo, o equilíbrio osmótico entre os fluidos celulares e extracelulares. Na prática, é o sódio que permite, dentro do nosso corpo, que se faça o transporte de oxigénio, de nutrientes, a transmissão de impulsos nervosos, o movimento de músculos ou dos órgãos, etc.

As nossas lágrimas são salgadas e as águas do mar também. Porquê?

Também os antigos alquimistas deixaram registada a noção de dualidade através do sal filosófico, na unificação do mercúrio e do enxofre filosóficos. Uma equivalência de uma longínqua consciência oriental do Tao, unificação do Yin e do Yang. Informação que faz parte das leis do universo e das estruturas vibratórias do corpo humano na sua organização tripartida oculta [ler mais sobre estes temas neste site: Três Princípios Filosóficos da Vida, Património Vibratório e Património Genético].

No entanto, o consumo exagerado de sal é prejudicial à saúde porque faz com que haja o risco de complicações, como por exemplo, hipertensão arterial, stress renal, arritmia, enfarte ou acidente vascular cerebral, entre muitos outros desequilíbrios.

A verdade é que grande parte da população mundial consome sal em excesso. Cada português, por exemplo, ingere por dia, em média, segundo a Direção-Geral de Saúde, cerca de 10,5 gramas, quando o máximo recomendado são cinco gramas, o equivalente a uma colher de chá. Já os idosos devem consumir menos sal e as crianças até dois anos não devem de todo comê-lo.

Foto de Bruno Glätsch em Pixabay.    Consuma menos sal e em alternativa use mais ervas aromáticas e especiarias na sua alimentação.

Como equilibrar o consumo de sal

Uma das maneiras de consumir menos sal é usar nos cozinhados ervas aromáticas ou especiarias (leia também “Consuma ervas aromáticas pela sua saúde”). No entanto, convém lembrar que o sal ou o cloreto de sódio está também presente em produtos acabados e fornecidos pela industria alimentar, de bebidas, farmacêutica (através de artigos de higiene pessoal, beleza e cosmética) ou ainda em massagens e outros tratamentos que fazemos ao nosso corpo.

É por isso importante conhecer o tipo de sal que se usa, pois existem mais de 300 tipos de sal, que se dividem em três grandes categorias: refinado, integral ou mineral. Conheça também algumas variedades, as suas características e alguns dos benefícios que podem ter para o organismo em outros textos neste site.

Este texto é uma tomada de consciência. De acordo com a estação do ano e o momento em que se encontra, cabe a cada um sentir se deve consumir este alimento. A dosagem e frequência depende da natureza e da condição física de cada Ser Humano.

Sinta mais sobre o sal em:

Sal mineral é precioso para o nosso corpo

Sal refinado é considerado veneno

Flor de sal contém todos os ingredientes oferecidos pela natureza

Sal marinho natural não é refinado

Peso económico do Sal é elevado, mesmo sem ser ‘ouro branco’

 

Love
rfwbs-sliderfwbs-sliderfwbs-sliderfwbs-sliderfwbs-slide