Um escudo natural chamado Própolis

Foto de Esfera Dourada.  A essência de própolis tem mais de 250 compostos químicos que servem para reforçar o sistema imunitário, combater infeções e feridas.

O própolis é um escudo de proteção natural para o Ser Humano. Uma defesa que existe graças às abelhas, pois são estes pequenos insetos os responsáveis pela criação da substância mágica com poder antibiótico e fungicida. 

No início de um trabalho organizado pelas abelhas para uma nova colmeia, há um número de abelhas que se subdivide em sete grupos, cabendo a cada um a recolha de uma resina diferente. Ao chegarem à colmeia, cada grupo deposita a resina recolhida na periferia da colmeia, como que fosse uma pele, criando assim uma cintura de proteção contra potenciais inimigos. Todos os animais sabem, independentemente da localização da colmeia (situada numa árvore alta ou junto à terra) que se ultrapassarem essa barreira serão expulsos pelas abelhas. 

Também o apicultor, para chegar aos favos de mel, a primeira coisa que faz é retirar essa cintura de proteção. O própolis é assim constituído por sete tipos de resinas diferentes cujos tons, podem ser verde, vermelho ou cinzento escuro (a mais tradicional), o odor e a sua consistência dependem das plantas que as abelhas encontram nas proximidades da colmeia. 

O própolis, que contém 250 compostos químicos já testados em laboratório (flavonoides, ácidos aromáticos, terpenoides, aldeídos, ácidos alifáticos e ésteres, aminoácidos, esteroides, açúcares, etc.) é depois trabalhado em laboratório para poder ser utilizado pelo Ser Humano como um antibiótico natural. O consumo de própolis reforça o sistema imunitário, combate infeções de garganta e feridas, entre muitas outras situações.

Teste para saber se é alérgico

Há muitas pessoas que são alérgicas ao própolis, por isso antes de consumir faça um pequeno teste. Coloque uma gota de própolis em cada pulso e se passado 30 minutos criar uma baba, então é alérgico, logo não deve consumir própolis.

O uso de própolis deixa uma coloração amarela e pegajosa que pode ser retirada com álcool ou desaparece naturalmente com o passar dos dias.

O consumo de própolis já vem das civilizações Chinesa, Tibetana, Egípcia e também a Greco-Romana. Existem escritos antigos dessas civilizações sobre medicina, nos quais se destacam centenas de receitas com mel, própolis, larvas de abelhas e às vezes as próprias abelhas, para curar ou prevenir enfermidades. Hoje em dia, a loção de própolis além de ser reconhecida pela sua eficácia no uso terapêutico e profilático é igualmente utilizada pela indústria cosmética, devido a propriedades, como por exemplo, calmante, hidratante, cicatrizante ou de antienvelhecimento.

Um milagre em risco de extinção

O própolis é um milagre que se deve exclusivamente às abelhas, embora o Homem não se preocupe muito com a sua existência. No entanto, é bom lembrar que, como terá dito Albert Einstein, “se as abelhas desaparecerem da face da terra, a humanidade terá apenas mais quatro anos de existência”. Importa sublinhar que sem abelhas não há polinização, não há reprodução da flora, sem flora não há animais, sem animais não haverá raça humana.

A extinção das abelhas não é ainda uma realidade, mas há sinais preocupantes. A verdade é que em Setembro de 2016, o US Fish and Wildlife Service inseriu, pela primeira vez, sete espécies de abelhas na lista de animais em extinção. Um alerta que surge depois de nos EUA e na Europa terem sido detetados decréscimos acentuados no número de colmeias (só os EUA perdeu, em 2015, 44% da colónia de abelhas).

Para já estão catalogadas cerca de 25 mil espécies de abelhas a nível mundial e só em Portugal o enxame global ronda as 600 mil e o própolis continua a ser facilmente encontrado nas lojas de produtos naturais.

No entanto, é preciso ter consciência de que os inseticidas na agricultura, o desmatamento e o consumo excessivo de mel (o apicultor retira o mel, o alimento das abelhas, para vender), para além do consumo de própolis, estão a contribuir para a extinção das abelhas.

 

Este texto é uma tomada de consciência. Verifique antes de consumir se é alérgico. De acordo com a estação do ano e o momento em que se encontra, cabe a cada um sentir se deve consumir própolis. A dosagem e frequência depende da natureza e da condição física de cada Ser Humano.

Foto de Janleru em Pixabay.    As abelhas chegam a visitar, num minuto, dez flores para recolherem resina, pólen e néctar para a colmeia.

Sinta mais sobre Própolis em:

Love
rfwbs-sliderfwbs-sliderfwbs-sliderfwbs-sliderfwbs-slide