Gripe? É só uma eliminação

Foto de Pepper Mint em Pixabay.    A libertação de folhas no Outono é o ciclo natural do clima no Planeta e o Ser Humano deve ter consciência e fluidez para o saber acompanhar. 

No início de cada estação podem surgir reajustes celulares nomeados como gripes, constipações ou alergias.

Porquê? 

É o ciclo natural do clima no Planeta e o Ser Humano tem de ter consciência e fluidez para o saber acompanhar.

Não é por acaso que as árvores iniciam a libertação das folhas no OUTONO, primeira estação, numa preparação para a gestação desenvolvida no INVERNO que permitirá a germinação, a acontecer na PRIMAVERA, e a colheita do fruto, que é muitas vezes feita no VERÃO. 

É esta interação entre as quatro estações do ano e a influência dos cinco elementos da natureza (Aether, Ar, Fogo, Água e Terra) que o Ser Humano por vezes não consegue acompanhar essas transições. 

É fundamental seguir essas transições nestes ciclos de três em três meses ou mais concretamente de 45 em 45 dias (ver texto sobre estações do ano). 

No OUTONO, sob a influência do elemento água, dá-se o ciclo de libertação de sentimentos, memórias, emoções, pensamentos, atos e de certas energias que podem vir a manifestar alterações respiratórias nomeadas como: constipação, gripe, laringite, bronquite, pneumonia ou alergias, entre outras. Nesta fase, os nossos órgãos mais envolvidos são os rins e a bexiga, onde podem também surgir infeções urinárias ou certas manifestações renais.

Eliminações estas que se não forem resolvidas podem provocar bloqueios e voltar a manifestar-se novamente em outras estações do ano:

  • No INVERNO, sob a influência do elemento terra, há um maior descanso e recolhimento para receber e impulsionar a energia de novas sementes e de uma nova evolução. Cabe ao Ser Humano, também em seu recolhimento, ir à sua essência para criar internamente novos padrões, projetos e novos sentimentos. Todo este novo movimento chega-nos pelo sangue e temos de simbolicamente saber digerir esta nova informação através do estômago e do baço;
  • Na PRIMAVERA é o elemento ar que exerce maior influência na responsabilidade de uma nova germinação. Seguindo este movimento, o Ser Humano tem de saber respirar, simbolicamente, a energia do ar de uma nova dinâmica por si criada no INVERNO.  Pulmões e intestinos que fazem a distribuição dessa energia são os grandes responsáveis por esta nova germinação;
  • No VERÃO, sob a influência do elemento fogo, dá-se a ação de colher o fruto de todo o trabalho feito nas estações anteriores. Assim, o Ser Humano deve usar a sua consciência para colher só aquilo que semeou e deve interagir e saber trocar com os outros. É através do fígado e da vesícula, portador de um fogo alquímico, que permite fazer este recebimento e troca.

O Ser Humano deve permitir que este processo de eliminações aconteça naturalmente, pois caso contrário vão acumular-se, estação após estação, penalizando o ciclo de renovações, de sete em sete anos, onde a consequência poderá permitir a criação de stresses negativos ou até desequilíbrios degenerativos.


Foto de Mojca JJ em Pixabay.  A libertação de sentimentos, memórias, emoções, pensamentos, atos e de certas energias podem vir a manifestar-se em desequilíbrios respiratórios, inflamatórios ou alérgicos.

O que fazer aos primeiros sinais deste tipo de eliminação?

Quaisquer destas eliminações dão sinais 48 horas antes através de espirro, frio interno, dor de cabeça, garganta e do próprio corpo.

Não entre em pânico.

O pânico é falta de controle na nossa dualidade, entre a nossa energia feminina e masculina e vice-versa, entre o nosso hemisfério esquerdo e direito, na nossa verticalidade e suporte vibratório.

Ouça o coração do seu Ser Interno. Respire fundo nove vezes, inspirando e expirando lentamente, por forma a centrar a energia em si.


Foto Esfera Dourada.   Própolis e equinácea podem ajudar a ultrapassar eliminações nomeadas como gripes ou constipações.

O que tomar para ajudar

  • Com os primeiros sinais devemos tomar por exemplo fitoterapia:

Própolis (de preferência puro e tenha atenção, verifique se é alérgico. Evite colocar própolis num com copo com água pois todas as propriedades vão ficar acumuladas no copo e não no organismo), Equinácea, Tomilho e Eubiótico.

  • Florais ou essência de flores:

Rescue ou RQ7.

  • Deve beber ainda chá quatro vezes ao dia:

Chá de tomilho, poejo, segurelha, canela, cravinho ou chá de limão, (estes podem ser bebidos com mel), e beber ainda água, intercalada, pois esta ajuda a ação de eliminação que o corpo se está a propor fazer.


Banho de sal e gengibre

Temos ainda a grande ajuda do banho de sal e gengibre, de preferência ao deitar. Uma ou duas vezes por dia, deve preparar um banho de imersão quente, onde a água deve chegar às axilas. Nesta água coloque duas mãos cheias de sal marinho e duas colheres de sopa de gengibre, (atenção se tiver tensão alta, reduza a temperatura da água até ficar tépida) e deixe-se flutuar durante 20 minutos. Durante este período aproveite para fechar os olhos, descontrair ao máximo, respirando lenta e profundamente durante 18 vezes seguidas, para relaxar totalmente. A seguir, sem retirar o sal e o gengibre do corpo, limpe-se e beba mais um chá ou uma água e deixe que o sono o ajude a recuperar. Deve repousar pelo menos uma hora após o banho, caso este não seja tomado à noite (leia mais sobre banhos de gengibre).

Se não tiver banheira pode usar uma bacia de água quente com sal e gengibre, sendo que os pés devem ficar submersos até aos tornozelos.


Toalhas de gengibre

Utensílios necessários:

  • três toalhas de rosto brancas dobradas duas vezes no seu comprimento;
  • um plástico um pouco maior do que a largura e comprimento das suas costas;
  • uma colher de pau; 
  • sal marinho e pó de gengibre;
  • Dois litros de água;
  • um tacho.

Coloque um tacho ao fogo com água já quente com uma colher de sopa de gengibre e duas colheres de sopa de sal marinho. Quando levantar a fervura desligue o lume e leve o tacho para o lava-loiça. De seguida, segure na primeira de duas toalhas médias, dobre-a na vertical duas vezes e junte as duas pontas que ficam na sua mão. No meio da toalha, coloque o cabo da colher de pau para poder mergulhá-la na água quente, sem se queimar. Levante depois a toalha do tacho e comece a torcer para que esta fique bem quente, mas apenas humedecida. Após torcer as três toalhas embrulhe-as no plástico e leve tudo para o quarto.

Depois é só colocar, com cuidado, as duas toalhas nas costas da pessoa que está deitada de barriga para baixo. A terceira toalha é atravessada de ombro a ombro. Atenção que as pontas frias não devem ficar em contacto com o corpo, virando-as para cima. Depois cobre-se as toalhas com um plástico grande para fazer de estufa e tapa-se a pessoa de imediato com os cobertores. As toalhas devem ser retiradas 30 minutos depois, mas se a pessoa adormecer não faz mal. O descanso e o sono ajudam em 50% a 70% a recuperação, pois os corpos sutis e os vórtices vibratórios trabalham a outros níveis de realidade (sinta mais sobre toalhas de gengibre).


Foto de congerdesign em Pixabay.   A febre significa que o sistema imunitário está a agir contra o stress que afeta o corpo.

O que fazer com a febre

A febre deve ser sentida com consciência, pois é um sinal de que o sistema de defesa do nosso organismo entrou em ação a favor de um rápido reequilíbrio. A febre é controlada pelo nosso sistema imunológico, através da nossa dualidade expressa pelas primeiras três camadas da pele (ectoderme, mesoderme e endoderme), correspondentes aos três princípios filosóficos da vida (Tao, Ying e Yang), às três primeiras camadas da alma, ao elemento Aether e ao meridiano triplo-aquecedor. A temperatura do corpo varia com cada ser humano, assim é necessário caracterizar o tipo de febre. Há as febres contínuas e persistentes (mantêm-se ao longo do dia), as intermitentes (variam durante o dia) e as esporádicas.

A temperatura do corpo (febre) está alinhada com a influência das marés do mar. Na maré alta é natural que a febre suba e na vazante desça. Mas se na maré baixa a febre continua alta então é sinal de que o organismo apresenta o início de uma infeção. Querer não ter febre, é querer não resolver uma dinâmica interna entre uma eliminação ou reestruturação e uma nova ordem. Na prática, é o mesmo que chamar a polícia ou os bombeiros, mas depois impedir que estes exerçam as funções. É preciso ter consciência de que ao fazer ou tomar algo para travar a febre é o mesmo que pedir ao sistema de defesa para deixar de atuar a favor de um reequilíbrio (leia mais em texto sobre a psicostasia). 

Como atuar?

Em febres consideradas baixas, a melhor solução é não tomar nada e ir controlando, por exemplo, com toalhetes de água fria na testa. Também pode usar rodelas de batata ou maçã, ambas com casca, ainda chá de maçã com casca e tomar a equinácea, o tomilho e o floral rescue ou RQ7.

Em temperaturas mais altas, 38º ou 39º, dependendo de pessoa para pessoa, pode usar floral de Bach Rescue ou RQ7 na testa, fontes, nuca, atrás das orelhas, joelhos e parte interior dos pulsos. Também pode tomar desse floral, de acordo com a sua natureza, pois tem função de autorregeneração. No caso de febres mais elevadas deve tomar a fitoterapia ou um banho de sal e gengibre e no caso de infeção pode recorrer à homeopatia.


Foto de Gerd Altmann em Pixabay.  Umas gotas de Thuya ajudam a combater a tosse.

Como lidar com a tosse

A tosse é normalmente uma consequência de uma eliminação, atualiza através das vias respiratórias e que pode ser ajudada com:

Fitoterapia – Thuya, Equinácea, 

Florais – Floral de Rescue ou RQ7

Homeopatia – Thuya

Ainda pode utilizar, ao deitar, pomadas de thuya, propólis ou brotos de carvalho. A pomada escolhida deve ser aplicada no peito, costas e plantas dos pés.


Solução através da linguagem vibratória

Para quem já tem noções sobre a linguagem vibratória à base molecular e sabe usá-la através da radiestesia, com a ajuda de um pêndulo e sua micro-organização entre metais alquímicos, planetas e constelações, pode até nem precisar de tomar nada disto (leia mais em textos sobre linguagem vibratória da vida).


Foto de kamila211 em Pixabay.   Uma alimentação de produtos biológicos contribuem para equilibrar o organismo.

Alimentação

Em caso de eliminação, a alimentação carece de uma atenção especial, que varia de pessoa para pessoa, de acordo com a sua natureza e função. Quando o organismo está em processo de eliminação ou reestruturação não são necessários muitos alimentos, pois 75% da energia necessária para uma digestão pode ser centralizada para ajudar os sistemas envolvidos no reequilibro do organismo. É preferível tomar água, chás de plantas naturais e frescas ou sumos naturais (cenoura, maçã…).

Mesmo após uma eliminação deve-se evitar, pelo menos durante 14 dias, comer carnes vermelhas, laticínios e seus derivados e bebidas gaseificadas. Importa optar por legumes, verduras, frutas de preferência 100% biológicas e não esquecer os super-alimentos como o alho, o gengibre, a cebola, o limão, o mel, a curcuma, além das ervas aromáticas.


O que devo ter em casa

Para evitar surpresas de última hora em caso de stresses de eliminações deve ter-se em casa produtos naturais como:

Fitoterapia: Equinácea, Própolis, Thymus, Eubiótico, Flor de Laranjeira.

Florais de Bach: Rescue

Outros ingredientes: Gengibre em fresco (raiz) ou pó e flor de sal marinho.

 

Este texto é uma tomada de consciência. De acordo com a estação do ano e o momento em que se encontra, cabe a cada um sentir se deve usar esta opção. A frequência depende da natureza e da condição física de cada Ser Humano.

Sinta mais sobre gripes em:

Toalhas de Gengibre para repor fluxos de energia

Banhos de Sal e Gengibre para regenerar energias

Love
rfwbs-sliderfwbs-sliderfwbs-sliderfwbs-sliderfwbs-slide